Postagem em destaque

E o assunto é VACINAS!

sábado, 19 de dezembro de 2009

Herbalife é seguro?

Intoxicação do fígado pelo Herbalife

Herbalife é vendido como um suplemento nutricional contendo extratos de ervas, sendo vendido livremente com a promessa de melhorar a saúde ou para conseguir emagrecer. A diferença dos produtos farmacêuticos que devem ter suas formulas aprovadas após a realização de ensaios clínicos, o uso dos chamados suplementos nutricionais está escassamente regulado e controlado, podendo ser vendidos livremente. O Journal of Hepatolology acaba de publicar a ocorrência de casos de aparecimento de hepatites creditadas ao consumo do Herbalife, sendo este o segundo relato sobre o produto que aparece na literatura cientifica.

Em Israel foram identificados 4 casos de hepatite aguda associados ao consumo do Herbalife durante o ano de 2004. Isto levou a uma investigação realizada em diversos hospitais sendo comprovados outros 12 casos de hepatite aguda idiopática (que surge espontaneamente ou de causa desconhecida) após o consumo do Herbalife. O desenvolvimento da hepatite se identificou em aproximadamente aos 11 meses do início do consumo.

As biópsias hepáticas mostraram sinais de hepatite ativa com inflamação portal com abundantes eosinófilos. Três casos foram muito graves, já que desenvolveram uma hepatite fulminante ou subfulminante. Um dos pacientes faleceu após a necessidade de um transplante de fígado. Os 11 pacientes restantes conseguiram superar o quadro sem seqüelas. Três pacientes que tornaram a consumir produtos Herbalife desenvolveram novamente a hepatite.

Uma pesquisa anterior realizada na Suíça e apresentada no DDW2006 (artigo encontrado em: http://www.hepato.com/p_tratamentos_alternativos/trat_alrt_herbalife.html ) relatava um caso de hepatite fulminante após o consumo do Herbalife o que levou a realização de uma investigação em 12 hospitais Suíços na procura de casos adicionais, encontrando 12 casos, dos quais 10 reuniam os critérios suficientes para poder estabelecer a casualidade por se enquadrar nos critérios para avaliar hepatotoxicidade pelos critérios CIOMS da Organização Mundial da Saúde.

Seguindo os critérios da OMS os pesquisadores Suíços consideram como certa a hepatotoxicidade acontecida em 2 pacientes, provável em 7 e possível em 1. O tempo entre a exposição e a hepatite foi de 5 meses. Ao igual que no estudo apresentado em Israel, pela biópsia se demonstrou necrose dos hepatocitos e inflamação elevada com predomínio de eosinófilos. Três casos apresentaram uma lesão hepática grave (um de hepatite fulminante, um de síndrome de obstrução sinusoidal e uma cirrose hepática).

Estes dois estudos servem de alerta sobre possíveis riscos dos produtos Herbalife, especialmente por quem já apresenta algum problema no fígado, os quais devem tomar cuidados redobrados. Devido à falta de informação sobre a composição dos produtos Herbalife não é possível identificar adequadamente o agente causador da hepatotoxicidade. Possíveis suspeitas são a efedrina e o N-nitroso-fenfluramina.

Os pesquisadores ressaltam a importância de se estabelecer uma legislação mais estrita para autorizar a venda de produtos rotulados como suplementos nutricionais, os quais não informam a composição dos mesmos.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Schoepfer, A.M. y cols. J Hepatol 2007; 47:521-526. Elinav, E. y cols. J Hepatol 2007; 47:514-520



Fonte: http://www.hepato.com/p_tratamentos_alternativos/herbalife_20071015.html

Follow by Email